Cesarianas a pedido…


“A ministra Ana Jorge está preocupada com a disparidade entre os números de cesarianas nos hospitais públicos e nos privados

A ministra da Saúde não aceita que sejam as grávidas a decidir a forma como dão à luz, numa altura em que se discute a liberdade de escolha entre o parto natural e a cesariana.

A Associação Portuguesa de Bioética defende que as mulheres devem poder escolher entre uma cesariana e um parto normal, no serviço nacional de saúde, tal como acontece no privado.

A ministra da Saúde, Ana Jorge, está preocupada com a disparidade entre os números de cesarianas nos hospitais públicos e nos privados.

A Associação Portuguesa de Bioética concorda e quer que as mulheres tenham liberdade de escolha no sector público tal como já acontece no privado, mas para quem pode pagar.

Equidade e justiça social são as bases de um parecer onde se põe em causa se a cesariana é mais cara que o parto normal.

O parecer foi enviado ao Ministério da Saúde mas, ao que tudo indica, não vai sair do papel. Ministra da saúde e Bastonário da Ordem dos Médicos não querem medicina a pedido.


A ministra promete agir se as auditorias mostrarem práticas abusivas na privada. A Ordem dos Médicos promete sanções para quem actuar de modo diferente nos dois sistemas.”

in RTP2008-03-30 10:19:24

Ler aqui o parecer da APB na íntegra

Solicite-se à APB (Associação Portuguesa de Bioética) que refira as outras discrepâncias que encontrou entre o sector privado e o público, além da falaciosa opção de escolha…

Uma falácia pois parte de pressupostos errados, de que o dinheiro confere melhores cuidados quando na prática esse dinheiro confere é outra “escolha”: a escolha da equipa que assiste ao parto em “obedecer” ao cliente e ele voltar ou seguir a opção mais correcta, mas que a parturiente julga mais prejudicial para si (pela dor, desconforto, etc etc de um parto eutócico=natural) e arriscarem-se a não vê-la mais nessa instituição.

Alem de que põem em causa mas sem qualquer evidência, uma possível razão económica concentrando-se no argumento de que manter um bloco de partos funcionante 24 horas é muito caro… arrisco-me a dizer que esse argumento seria verosímil há 20 anos ou há 1 ano, mas não agora.

Já agora agradecia que quem elaborou o parecer também informasse a Mulher das virtudes do parto natural face à cesariana ou cesárea como lhe quisermos chamar e apelasse à naturalidade e não à complexidade de um processo que é natural e não artificial.

Também gostaria de ver um parecer dos maiores especialistas em Saúde Materna e Obstétrica(os enfermeiros) sobre este tema ou não fossem eles os maiores entendidos em situações de parto eutócico (além de que seria uma excelente oportunidade de mostrarem quem percebe do assunto).

Deixo um repto, não uma provocação…

Anúncios

Sem censura... mas sem ilegalidade e acima de tudo com o sentido de responsabilidade. Opiniões contrárias não são só aceitáveis... são desejáveis... mas for favor identifique-se, nem que seja com pseudónimo

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s