O que todos os enfermeiros trazem no bolso….

A farda de um Enfermeiro tem por hábito incorporar pelo menos um a dois bolsos, que permitem guardar um sem-número de objetos.

Desde a indispensável tesoura, ao adesivo, folha da passagem de turno, canetas, ou ainda um sem número de material hospitalar, os bolsos das fardas/batas, com o devido respeito pelos princípios de higiene, permitem o armazenamento de ferramentas fundamentais à prestação de cuidados.

Venho aqui hoje partilhar outro objeto que TODOS os enfermeiros, sem exceção, guardam no seu bolso, sendo que a maioria nem se lembra que ele lá está. No entanto, sem se aperceberem, dão-lhe imenso uso, mais que à própria tesoura ou adesivo. Sempre aconchegado, maior ou menor, é ele que determina a imagem da profissão.

Falo-vos, naturalmente, do boneco de VOODOO. Sim, é isso mesmo. Aqueles bonequinhos de pano/tecido, com os olhos e a boca simples, algum cabelo, que representam sempre alguém que conhecemos. O mecanismo é simples, basta disferir um golpe no boneco, que a pessoa “ligada” ao mesmo irá sofrer aquela dor, não só em intensidade como na forma do golpe aplicado.

(Nesta altura, o leitor questiona-se sobre a sanidade mental do autor)

Sim, um boneco de Voodoo. Todos os enfermeiros? Sim, todos o trazem.

Isto porque, numa base diária, os enfermeiros têm comportamentos e atitudes semelhantes a alfinetes compridos e torcidos, que são espetados de forma insuspeita no boneco que é a PROFISSÃO DE ENFERMAGEM.

Porque todos os dias os enfermeiros exercem violência horizontal sobre os seus pares, ameaçam, ignoram, chantageiam, fazem bullying, mobbing e humilham o colega (de preferência evidênciando o erro, de forma a dizer que “EU” é que sabia e tinha razão).

Os enfermeiros matam-se a trabalhar em diversos locais de trabalho para depois ter, em cada um deles, uma prestação razoável e às vezes medíocre.

Os profissionais olham para as suas atribuições com desdém, no que diz respeito à alimentação e higiene dos utentes, no apoio emocional e outras que tais, e permitem que outros profissionais o façam numa base diária, sem qualquer controlo ou supervisão.

Os enfermeiros são os primeiros a descredibilizar os colegas, a gozar quando recebem formação destes, a menosprezar o seu trabalho com as expressões “isto é muito simples” ou “não precisa de agradecer, não foi nada” frente aos utentes e outros profissionais de saúde.

Os enfermeiros são dos poucos a tratar-se, no local de trabalho, como se estivessem no café da esquina. Calam-se quando têm razão e preferem evitar defender os doentes, face à possibilidade da ameaça (muitas vezes virtual) do desemprego.

Os enfermeiros pedem reconhecimento, mas esquecem a assunção da responsabilidade.

Os enfermeiros alheiam-se da vida social e política da profissão, não participando na sociedade, não discutindo a profissão e não a defendendo no espaço público. São aliás os primeiros a dizer que a Ordem não faz nada, os Sindicatos não fazem nada, mas eles não se vêem a fazer nada.

Ninguém é perfeito, eu muito menos. A crítica é dura, mas todos os dias, alguns enfermeiros espetam milhares de agulhas no BONECO. 

E O BONECO ESTÁ A COMEÇAR A RASGAR-SE. 

Todos o levamos no nosso bolso, no dia-a-dia, e somos responsáveis por olhar por ele. Não olhar da maneira distorcida de quem tem o prazer de espetar novamente, mas quem o preserva e defende de todos os perigos.

Saibamos por isso lembrar-nos que trazemos a profissão connosco, no bolso, na atitude, na apresentação, na conduta. Saibamos também guardar o alfinete, praticando tratamentos positivos de colegas, praticando o respeito e o elogio mútuo.

Cumprimentos a todos.

Anúncios

3 thoughts on “O que todos os enfermeiros trazem no bolso….

  1. Sim Mauro! 🙂 Tens razão sim senhor!Mais, maior apanágio que este (qual "treinadores de bancada") temos de facto o hábito de criticar, sem contudo APRESENTAR SOLUÇÕES OU ALTERNATIVAS!Deste modo, e tentando de algum modo colmatar a minha "falha" (no sentido de não ter apresentado alternativa concreta), aqui fica uma estratégia:Durante uma semana, elogie os colegas pelo bom desempenho observado/pelos conhecimentos demonstrados. Não se trata de bajulação ou tentar cair em graça, VÁ MESMO À PROCURA DOS PROCEDIMENTOS CORRECTOS E JUÍZOS CLÍNICOS ADEQUADOS e ELOGIE O QUE VIU E OUVIU. SE PROCURAR VAI VER QUE ENCONTRA! uma semana! 🙂

  2. Meu caro: cultura de classe! Aprende-se na maioria das Faculdades, mas não nas Escolas Superiores de Enfermagem. Arriscava-me mesmo a dizer que começa nestas a criação de uma cultura de "classe sem classe". E muito menos respeito pela profissão, colegas ou docentes. Se se estudasse a distorção na aquisição das competências éticas dos enfermeiros, provavelmente o resultado apontaria para défices graves nas Escolas (muitas delas de superior também têm muito pouco). E depois o ambiente profissional faz resto. A convivência com colegas de gerações mais remotas, para quem a Enfermagem era pouco mais que administrar umas injecções e colocar termómetros, superiores hierárquicos com o mesmo desenvolvimento cultural e académico que orangotangos, a passividade dos restantes intervenientes da instituição, aos quais os enfermeiros já habituaram brindar com comportamentos dignos de trolhas com bata branca e luvas, etc, etc, etc.Como dizia um amigo meu, quando observa uma profissão em que a enf. Maria vende tuparwares no serviço, em que a enf. Joaquina vende produtos da Oriflame e Herbalife, quando o enf. João combina uns biscates numa obra lá de casa com o auxiliar e a enf. Julia vende ovos frescos à sua utente do centro de saúde, isto efectivamente espeta muitos pregos no boneco da profissão. E sabe tão bem como eu que estes e muitos outros exemplos existem.Já não chega o clima que picardia nos serviços, que tão bem descreveu, que agora até nas páginas do Facebook, nos comentários dos blogues ordinários tipo Doutorenfermeiro e afins e no ciberespeço em geral, já todo e qualquer cidadão comum pode observar como nos tratamos entre pares, como tratamos os chefes, os supervisores, os especialistas, os colegas em geral, a Ordem, os Sindicatos e as outras profissões. E repare que muitos desses comentários são transversais a recém formados e enfermeiros com anos de exercício. Todos reveladores de uma completa ausência de apropriamento dos valores da profissão, dos valores elementares da educação, da sã convivência e mesmo da noção de imagem que se transmite aos decisores políticos, aos cidadãos e aos outros profissionais de saúde. Lamentável? É certo. Mas blogues como o que citei gabam-de de milhões de visitas e outros tantos comentários. Todos nesse registo! Sinais dos tempos? Ou simplesmente o canto do cisne?

Sem censura... mas sem ilegalidade e acima de tudo com o sentido de responsabilidade. Opiniões contrárias não são só aceitáveis... são desejáveis... mas for favor identifique-se, nem que seja com pseudónimo

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s