"Com os meios que temos podemos ser mais eficientes sem perda de qualidade."

A exequibilidade do trabalho exigido e praticado diariamente depende directamente de uma elevada eficiência na recolha de informação, avaliação, execução e avaliação promovida de forma constante pelos Enfermeiros. Em muitos momentos a pressão exercida para que os processos decorram de forma eximia parte de “nós” próprios, porque sabemos que caso não o consigamos ser, poderá estar em causa a nossa capacidade para executar tudo aquilo que pensamos (que os utentes necessitam), sob um ponto de vista temporal/execução.
Na Saúde um parâmetro que está mais que esbatido, é a exigência aos enfermeiros de eficiência/eficácia parte dos chefes, gestores ou patrões. Um exemplo prático é a avaliação constante da possibilidade de se reduzirem os rácios existentes nos serviços, porque em muitos momentos somos o “elo” mais fraco (sem poder interventivo). Direcciono a minha visão para os recursos humanos, sendo perceptível que existem outras dimensões, tais como os recursos materiais que se escasseiam por diversas vezes, colocando-se em causa a qualidade dos cuidados.
E posto isto, tal como em muitos momentos já foi referido, que o ministério da saúde faça um estudo verdadeiro sobre a carga de trabalho exigida aos enfermeiros (tendo em atenção o desgaste físico  psicológico e emocional). Revolta-me este pensamento, porque se eu como enfermeiro não tiver tempo para executar certo procedimento, se conseguir, vou ter de o delegar a alguém que não tem as minhas competências para o executar à minha voz de comando, ou vou ter de deixar para o colega do turno seguinte, dificultando o trabalho do mesmo (por vezes não fazendo o que é melhor para o utente). A maioria das pessoas só compreendem este  significado quando estão sujeitas aos nossos cuidados e os observam, sendo este fato uma tremenda injustiça para nós Enfermeiros.
Agora se o discurso surgiu em troca de ideias com o Sr. Bastonário da Ordem dos Médicos e não se pretendeu ser-se directo, ajustava-se selectividade nas palavras, porque as mesmas têm potencial para se tornarem inadequadas e inoportunas.
Posto isto, questiono em que local encontram-se descritas, ou quais são as ineficiências identificadas na prática diária dos Enfermeiros?
Anúncios

4 thoughts on “"Com os meios que temos podemos ser mais eficientes sem perda de qualidade."

  1. Não pode dar prejuízo pois garante a transparência e a prestação de contas permitindo alocar os profissionais e os recursos onde eles efectivamente são necessários…Sem dados… as decisões tomadas são com base na retórica, na influência politiqueira e não com base na ciência e nos dados…O "Estado" entidade abstracta seria beneficiado… mas o Estado não é abstracto… é constituído por pessoas e as pessoas têm interesses que podem ir contra a necessidade de transparência…

  2. Lá está… vais de encontro ao meu ponto de vista… Essa vontade de não serem públicos os dados ou tratados tem de ser combatida. E quando alguém fala na eficiência desta forma… penso… Não acredito que existam muitas profissões como a nossa em que quando temos registo electrónico da hora de entrada e saída, em muitos locais se verifica uma constante discrepância face às horas estabecidas em relação com as horas executadas, em prejuízo sempre para nós. Posto isto seria interessante saber a opinião do nosso líder da Ordem dos Enfermeiros em relação às palavras proferidas. Pode parecer que o tratamento dos dados trará prejuízo para o estado de uma forma indirecta, mas na minha opinião só assim é que se consegue alcançar o desenvolvimento e obter ganhos consequentemente.

  3. É o poder do discurso… é melhor utilizar o termo profissionais de saúde quando não se pretende ferir susceptibilidades ou se pretende agregar sob o seu manto de poder… Se há muita ineficiência? Há! Mas tal não pode ser discutido uma vez que os dados sobre a actuação dos enfermeiros assim como dos outros ( e comparação)… não são públicos nem são tratados… Sabes quantas intervenções relacionadas com prevenção de úlceras de pressão foram feitas no SNS? Sabes quantos profissionais foram almoçar durante 3 horas?Sabes quanto custa cada episódio de urgência em cada um dos hospitais e podes comparar a complexidade dos vários doentes nas várias urgências?Não , não e não… porquê? Não existem dados e não há interesse das administrações em que eles existam…

Sem censura... mas sem ilegalidade e acima de tudo com o sentido de responsabilidade. Opiniões contrárias não são só aceitáveis... são desejáveis... mas for favor identifique-se, nem que seja com pseudónimo

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s