Porquê contratar mais enfermeiros?

A propósito deste post do Mauro

Tenho a convicção (para não dizer certeza) de que um aumento do número de enfermeiros nos serviços se manifestaria em melhor saúde dos cidadãos e em poupanças para o Estado.
Mas felizmente as decisões não são tomadas com base nas minhas convicções nem sequer nas declarações do sr. Bastonário da OE.
Tudo isto para dizer o quê? Que faltam estudos como aquele em Portugal. Faltam estudos que mostrem os ganhos em saúde e económicos que se conseguiriam com a contratação de mais enfermeiros. Quanto se gastava a menos? Em quanto se diminuim os dias de internamento? Em quanto se diminuiam as taxas de morbilidade e mortalidade? Quantos dias de absentismo e de baixa médica eram evitados? Qual seria o saldo positivo entre a massa salarial desses enfermeiros e as poupanças nas restantes vertentes?
Aqui a OE podia ter um papel importante, promovendo estudos sérios e sem corporativismo nem resultados determinados à partida, de forma a poder apresentar argumentos credíveis e mensuráveis, que pudessem efectivamente colher junto do poder político.

Anúncios

2 thoughts on “Porquê contratar mais enfermeiros?

  1. Mas a questão é também de credibilidade, dá a sensação que os enfermeiros portugueses estão inertes. Além de que muitos nem conhecem tais estudos nem se preocupam, limitam-se a reclamar o direito a ter trabalho.Não digo que isto resolvesse o problema, mas aos poucos ia mudando a imagem da Enfermagem.

  2. Estudos? Há muitos estudos que podem ser perfeitamente extrapoláveis para fora do seu contexto de realização.Quando hoje se fazem cirurgias de Bypass aorto-coronário… foi necessário fazê-las em Portugal em primeiro lugar?Quando hoje se utilizam as técnicas endoscópicas… não foi por extrapolação?É tão só e apenas má vontade ou amadorismo.Como já havia dito…Interessante que nos indicadores de saúde, não se inclua a taxa de pessoas com incapacidades que não tenham acesso a cuidados básicos… Uma vez vi um caso paradigmático disto. Um homem a quem foi colocado um CDI (a custar vários milhares de euros) mas que não tinha sequer forma de lavar-se em casa. Isto diz tudo sobre as prioridades na Saúde em PortugalOra numa escola de gestão actual que se dedica a atingir indicadores… poderíamos questionar se andamos a medir os indicadores errados não? Não seria eu o primeiro a dizer ( Michael Porter já o disse: http://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMp1011024 )

Sem censura... mas sem ilegalidade e acima de tudo com o sentido de responsabilidade. Opiniões contrárias não são só aceitáveis... são desejáveis... mas for favor identifique-se, nem que seja com pseudónimo

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s