Para reflectir: win win situations…

A win-win situation, also called a win-win game or non-zero-sum game in game theory, is a situation by which cooperation, compromise, or group participation leads to all participants benefiting. The term can be applied to many aspects of daily living, and it is contrasted to the zero-sum game or win-lose situation, where the dominant factor is that at least one person wins while another loses. These are also called zero-sum games and examples include most two-person board games. For instance a chess game is zero-sum. One winner, +1, is added to one loser, -1, resulting in a total of zero.

Retirado de: http://www.wisegeek.org/what-is-a-win-win-situation.htm


Como deveriam ser sempre as questões relacionadas com mudanças em empresas e a relação entre gestão e prestação do serviço.

Optimismo? Talvez a única forma de mantermos ou melhorarmos o nosso nível de vida e a única que visa a sustentabilidade a longo prazo… 


Deixo para consulta este relatório, que já data de 2010 ( foi metido na gaveta?) e que se chama: A Organização Interna e a Governação dos Hospitais (link) 

Nomeadamente a partir da página 25… Algumas “coisas” que se dizem por lá:

” As inúmeras alterações de ordem económica, política e socioprofissional, o aumento crescente de complexidade que caracteriza os hospitais e a própria  evolução das responsabilidades individual e social sobre a saúde, motivam a experiência da aplicação de incentivos, por parte dos sistemas de saúde, quer aos profissionais, quer às organizações prestadoras de cuidados.”
(…)


“Os incentivos de equipa, tendo em conta a disponibilidade e o volume de trabalho associado aos resultados clínicos, parecem ter maior efectividade. Mas isto implica a existência de um sistema de informação eficiente e disponível por todos em tempo real, de forma a assumir-se como um instrumento fundamental para a gestão.”
(…)

Os incentivos, se criteriosamente aplicados, podem ser vistos como um elemento de revalorização do SNS e dos seus profissionais.”
(…)

“Os incentivos devem resultar da melhoria da eficiência do funcionamento dos serviços, sem implicar um aumento dos orçamentos dos hospitais.” 
(…)

Os hospitais devem desenvolver sistemas de incentivos que, a partir de uma avaliação do desempenho, por serviço e colaborador, associada à obtenção de resultados positivos, permita premiar as melhores performances colectivas e individuais, reconhecendo o mérito das equipas e das pessoas. Os sistemas de incentivos devem ser completamente transparentes, rigorosos e auditáveis, eliminando a possibilidade de intervenções arbitrárias, explicitados nos respectivos contratos-programa e sem implicar um aumento dos orçamentos dos hospitais.”

Para que tal paradigma se instale é necessário mudar a forma como se encaram as relações laborais, baseadas no egoísmo: o “patrão” que quer ficar com o máximo do lucro não o dividindo”, o trabalhador que quer ficar com o máximo de rendimento produzindo o menos possível e indispensável a não dar motivos para ser despedido…

Anúncios

Sem censura... mas sem ilegalidade e acima de tudo com o sentido de responsabilidade. Opiniões contrárias não são só aceitáveis... são desejáveis... mas for favor identifique-se, nem que seja com pseudónimo

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s